Graduação e Pós-graduação: Qual a diferença?

Qual a diferença entre graduação e pós-graduação?

Hoje em dia o mercado de trabalho está cada vez mais à procura de profissionais mais preparados e com um currículo extenso, sendo uma forma de compreender que aquele determinado indivíduo observado tem a capacidade suficiente para ocupar o cargo pretendido, sendo classificado como qualificado para a função e competente o suficiente para desenvolver as atividades que determinado cargo exige. Em alguns casos, ter um curso de graduação e/ou pós-graduação se torna algo essencial, possibilitando o aumento de salário e melhoria da vida do cidadão.

É compreensível dizer que estudar nunca é demais, principalmente quando esse conhecimento lhe possibilita a melhoria de vida por meio da qualificação profissional. Os cursos de graduação e pós-graduação são extensões do ensino básico, que vai desde o grau fundamental até o médio, às vezes incrementado pelo estudo técnico, mas que por vezes é apenas segundo grau completo. O curso de graduação vem antes do de pós-graduação, sendo que ambos são ofertados por instituições de ensino Superior, se enquadrando nesta etapa do saber profissional.

Graduação e Pós-graduação: Qual a diferença?

Você conhece bem a diferença entre o curso de Graduação e o curso de Pós-Graduação? Gostaria de saber esta diferença e conhecer um pouco mais sobre cada tipo de curso? Então, está no post certo! Vamos lá!

Graduação

O curso de graduação é uma possibilidade de aumento dos conhecimentos, de estender os estudos para além do Ensino Médio, evoluindo da educação básica para o Ensino Superior. Quando se conclui o Ensino Médio é ofertada aos alunos a oportunidade de realizar a prova do ENEM ou ainda alguma outra avaliação Vestibular, que irá permitir ao indivíduo o ingresso em alguma instituição de nível superior e assim fazer o curso de graduação almejado. É interessante ressaltar que a faculdade, universidade ou centro universitário tenha cursos credenciados e reconhecidos pelo MEC para que possam ser de validade em todo o território nacional, dividindo-se em bacharelado, licenciatura e tecnólogo.

O indivíduo que opta por algum curso de graduação bacharelado estará formado apto a desempenhar aquela função como o próprio profissional dela, ou seja, de você cursar bacharelado em Engenharia Civil se formará como engenheiro, e se cursar bacharelado em Matemática, se formará como Matemático. Já se optar por algum curso de graduação licenciatura, terá a formação que possibilita lecionar na área, como por exemplo, licenciatura em Matemática lhe permitirá ser professor de Matemática quando formado.

LEIA TAMBÉM:

Pós-graduação

Os cursos de pós-graduação também são uma extensão em estudos, possibilitando a continuidade do aumento dos conhecimentos profissionais adquiridos na graduação, segmentando todo o universo visto na graduação em algum segmento específico optado pelo profissional. Ele só pode ser feito após o ingresso na graduação, ou ainda após seu término. Um bom exemplo seria o profissional graduado em bacharelado em Administração, podendo se especializar, por exemplo, em um curso de pós-graduação de Gestão de Pessoas, valendo lembrar que para a pós-graduação também há divisão em grupos, existindo a Lato Sensu e a Stricto Sensu.

Os cursos de pós-graduação que dizem respeito ao lato sensu compreendem programas de especialização, cursos designados na categoria MBA (Master Business Administration), tendo uma duração máxima que pode chegar a 360 horas, obtendo ao final do curso um certificado de conclusão, e não um diploma. Já os cursos de pós-graduação que correspondem à categoria stricto sensu englobam os programas de mestrado e doutorado, concedendo ao aluno no final do curso o diploma.

Diferença entre Graduação e Pós-graduação

Diferença entre Graduação e Pós-graduação

Quando se trata de especificar uma diferença entre a Graduação e a Pós-Graduação dizemos que elas se diferenciam pelo grau de conhecimento do indivíduo, uma vez que a medida que ele se especializa, seu conhecimento na profissão adotada aumenta e ele poderá ter um maior reconhecimento por isso no mercado de trabalho, recompensado financeiramente falando. Sendo assim, a graduação é uma extensão dos estudos da educação básica no que diz respeito ao Ensino Médio, e o curso de pós-graduação é uma extensão dos estudos de nível superior concedidos pela graduação.

Cursos mais procurados no Brasil

Cursos de graduação

Os principais cursos de graduação mais procurados no Brasil somam boa parte dos discentes do ensino superior. Contando com, em ordem de procura:

  • Medicina
  • Direito
  • Administração
  • Pedagogia
  • Ciências Contábeis
  • Engenharia Civil
  • Enfermagem
  • Psicologia
  • Gestão de Pessoas/Recursos Humanos
  • Serviço Social
  • Engenharia de Produção
  • Publicidade e Propaganda
  • Educação Física
  • Arquitetura e Urbanismo
  • Jornalismo

Cursos de pós-graduação

Já quando o assunto são os cursos de pós-graduação, os que te mais busca no Brasil corresponde a seguinte listagem:

  • Docência no ensino superior
  • Educação Especial e Transtorno Global do desenvolvimento
  • Enfermagem do Trabalho
  • Gestão em Saúde
  • Gestão Pública
  • Saúde do Trabalhador
  • Saúde Pública
  • Tradução e Interpretação em LIBRAS
  • MBA em Recursos Humanos
  • LIBRAS

7 pecados capitais para evitar na empresa

7 pecados capitais para evitar na empresa

Toda e qualquer empresa necessita ter um plano de ação que lhe permita estar sempre em alta no mercado, o que possibilita sua sobrevivência mediante um cenário que tanto se modifica sempre, que é o que o mercado hoje em dia oferece para os empresários. No entanto, existem formas de lidar com essa realidade sem que a empresa possa vir a sofrer grandes danos que façam com que ela perca a sua produtividade e diminuía sua captação de lucros, sendo a base disso: evitar os conhecidos como sete pecados capitais na empresa.

7 pecados capitais para evitar na empresa

Os sete pecados capitais para evitar na empresa correspondem a processos e métodos que são necessários, mas que muitas das vezes perdem a sua real credibilidade ou passam desapercebidos pela gestão e colaboradores, desmerecendo determinados processos e assim impactando de forma negativa sobre o crescimento e permanência com êxito da empresa no mercado.

Mas, para que seja possível evitar estes sete pecados capitais é necessário primeiro conhece-los, não é mesmo?! Sendo assim, preparamos um material especialmente para você que procura conhecer mais sobre o assunto e desenvolver um plano de ação empresarial focado em melhorias na sua organização, buscando sempre o seu crescimento e aprimoramento e produtos, processos e serviços. Quer saber tudo sobre? Então, vamos lá!

1. Erros na contabilidade

Erros na contabilidade

Um dos grandes erros, sendo considerado por muitos como um dos principais, também, são os erros de uma contabilidade malfeita. Com uma contabilidade bem feita é possível fazer um diagnóstico real de como a empresa está naquele momento, se bem ou mal, com projeções corretas e concretas, verificando a possibilidade de lucro no período atual e futuro. Entender de forma correta todos estes processos e como estão se dando à medida que o tempo passa é essencial para conseguir uma boa rentabilidade empresarial junto ao mercado, medindo sempre as entradas necessárias para geração de determinado lucro almejado em um período pré-estipulado e traçando métodos de como atingir esses objetivos e metas.

2. Preços nada rentáveis

Preços nada rentáveis

Nem sempre as empresas conseguem estipular preços de fato rentáveis sobre seus produtos e serviços, e assim diminuem a qualidade do que é oferecido.

Para precificar algum produto é preciso levar em consideração determinados dados, como o excedente, danos físicos, frete, risco de roubo, desgaste de máquinas, entre outros, sendo de extrema relevância observar tais fatores, uma vez que se tornam decisivos para estabelecer os preços dos produtos. Verifique ainda a demanda pelo produto, confirme como as demais empresas estão vendendo ele e trace promoções e descontos levando em consideração que mesmo assim ainda precisa lucrar o que foi metrificado anteriormente na área contábil.

3. Contratações mal feitas

Outro grande erro de muitas empresas é na hora de contratar funcionários, sendo um processo que influi de forma negativa e em larga escala sobre todas as atividades da empresa, que vão desde a relação entre funcionários com a própria empresa e atividades do cargo.

Contratações mal feitas

Para que se haja uma contratação eficiente é necessário aliar tempo e habilidade, verificar de fato o potencial de um profissional, conhecer seu passado profissional, medir experiências em empregos anteriores, conversar com antigos chefes e colegas de trabalho e fazer perguntas inteligentes e estrategicamente desenvolvidas para que elas possam revelar as reais qualidades e defeitos de cada candidato à vaga ofertada.

LEIA TAMBÉM:

4. Receio na demissão de funcionários

Receio na demissão de funcionários

Os líderes junto à gestão de pessoas devem deixar o pecado do receio na demissão de funcionários de lado.

Se determinado colaborar de fato não está colaborando para o crescimento e permanência da empresa no mercado, com um trabalho mal feito, pouca responsabilidade, baixa assiduidade, aumento dos conflitos entre profissionais, entre outros, ele é um fator de atenção, necessitando assim ser retirado do grupo para que as atividades possam fluir de forma normal e melhor possível.

5. Necessidade de um padrão

Uma empresa precisa ter um padrão a ser seguido, um plano de ação, uma medida estratégica junto ao mercado, se ela não tem é praticamente impossível que consiga se manter firme e medir corretamente seus esforços, que não devem ser focados apenas em lucro, mas sim ter uma meta empresarial definida que irá nortear cada atividade dentro da empresa. O padrão deve estar na área de controle de qualidade, atendimento ao consumidor e ainda imagem institucional da empresa.

6. Falta de controle sobre as falhas

Outro grande problema é a falta de controle sobre falhas, muitas das vezes característica de uma má gestão e funcionários pouco qualificados para o cargo em que se encontram. Se você mede corretamente as falhas, passa a informação de como agir para os funcionários e eles realizam corretamente aquele processo, as atividades fluem bem e como deveriam, se ocorrer uma falha na gestão ou nos funcionários o processo todo é comprometido, e se torna necessário modificar o pensamento ou ainda mexer estrategicamente em alguma das engrenagens da peça.

7. Imagem negativa da marca

Imagem negativa da marca

Por fim, e ainda muito importante, a empresa deve evitar a imagem negativa da marca, pois é isso que irá afastar ou atrair os clientes, quanto melhor a imagem da empresa na sociedade, maior será a sua valorização naquele meio. Os detalhes fazem toda a diferença, e vão desde o bom atendimento e limpeza do local até a conscientização dos colabores e empresa sobre questões sociais, sendo um universo bem amplo. Lembre-se: não adianta ter um bom marketing se a sua empresa não focar em ser de fato tudo o que propõe aos consumidores, é preciso não apenas dizer ser um diferencial, é necessário trabalhar por isso todos os dias!

O que é Psicologia Organizacional?

Psicologia Organizacional: Dentre todos os cuidados que são necessários em tomadas de decisões e organizações empresariais, um desses cuidados é trabalhar uma forma de harmonizar as relações entre funcionários e empregadores, e ainda a relação entre os próprios trabalhadores em si, melhorando o clima da empresa, sendo um processo possibilitado por meio da Psicologia Organizacional. Ela é uma ferramenta que age de forma a contribuir para a melhoria do clima na empresa, diminuindo conflitos e aumento a conformidade de pensamentos.

O que é Psicologia Organizacional?

O principal objetivo de estudo da Psicologia Organizacional é compreender de forma específica como cada pessoa se comporta, tanto em relação aos líderes, quanto aos demais profissionais e a própria cultura da empresa, em busca de organizar da melhor forma possível a fim de que todos se sintam confortáveis em meio aquele ambiente.

Gostaria de saber tudo a respeito do que seria Psicologia Organizacional? Como o profissional desta área atua e quais os principais benefícios de adotar este processo na sua empresa? Se sim, vamos lá!

O conceito

A Psicologia Organizacional se trata de uma área da psicologia voltada especificamente para a gestão de pessoas em empresas, sendo assim uma ferramenta que muito auxilia no desenvolvimento de qualquer organização. O conceito de organização, de acordo com o pensamento de Maximiano, se trata da junção de pessoas com equipamentos e máquinas e recursos financeiros. O resultado de toda esta junção corresponde a produção de serviço ou produto que aquela determinada empresa trabalha.

O foco da Psicologia Organizacional é voltado para as pessoas, o primeiro motor da organização de uma empresa, uma das peças mais importantes da engrenagem. A preocupação do profissional psicólogo deste segmento é estudar o comportamento de cada colaborador da empresa como indivíduo específico dentro do cenário empresarial, elevando por partes o bem-estar na empresa e assim melhorando a relação de todos os colaboradores no ambiente.

LEIA TAMBÉM:

O profissional da área

O profissional da área

O profissional da área, Psicólogo Organizacional, é o responsável por aplicar os conceitos trabalhados dentro desta área da psicologia, atuando de forma direta na gestão de pessoas e estudando suas formas comportamentais de um jeito bem individual, para assim compreender de forma ampla como e porque se comportam de determinada forma em grupo. Compreender cada perfil dos colaboradores da empresa é essencial, uma vez que por meio disso se torna possível descobrir a melhorar maneira de trabalhar as necessidades de cada perfil e desenvolver uma forma correta de lidar com cada um deles.

Segmentos de atuação da Psicologia Organizacional

A gestão de pessoas voltada para a atividade do profissional Psicólogo Organizacional trata de um sistema completo de atividades dentro da empresa onde atuará, contando com segmentos que podem vir a ser de sua responsabilidade. Dentre os principais segmentos de atuação tem-se a participação no processo de recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, melhora do clima organizacional, gestão de conflitos, análise do plano de cargos e salários e ainda o diagnóstico completo, por fim, organizacional, com todos os dados colhidos nos processos e dando a oportunidade de compreender melhor o perfil de cada colaborador.

Na participação no processo de recrutamento e seleção, o profissional irá selecionar novos colaboradores ajudando a identificar um futuro profissional com o perfil mais adequado para o cargo pleiteado. Quanto ao treinamento e desenvolvimento ele pode dar palestras para funcionários novos e veteranos, melhorar o clima organizacional por meio de pesquisas de satisfação, medindo a satisfação de cada funcionário em sua função.

Já em gestão de conflitos o profissional pode mediar os conflitos dentro da empresa e estudar os melhores métodos de agir em busca da melhor forma para resolver o problema. Analisando ainda cargos e salários ele irá verificar a possibilidade de crescimento de algum profissional dentro da empresa, verificando a motivação dos colaboradores e identificação de alguns com determinado cargo, facilitando a retenção de talentos.

Principais benefícios da Psicologia Organizacional

Principais benefícios da Psicologia Organizacional

Os principais benefícios da Psicologia Organizacional se tratam de diversos fatores que são aquecidos, modificados e potencializados pelo poder da organização de pessoas, da gestão de funcionários, que é visto por muitas vezes em algumas empresas como um fator desmerecido e onde não há grande investimento, mas que com a atuação de um Psicólogo Organizacional conseguem aumentar a qualidade dos produtos e processos ali gerados.

Dentre os principais benefícios se pode citar a aceleração do processo produtivo dos profissionais, melhora na compreensão das emoções dos indivíduos e ainda do clima da empresa, acompanhamento e melhor definição das metas com uma maior possibilidade de alcança-las dentro do prazo pré-estipulado e uma maior harmonia dos processos gerados dentro da organização, influindo assim diretamente sobre os produtos  serviços que ela oferece, uma vez que as pessoas são parte importante na engrenagem empresarial.

O que é Gestão Estratégica de Pessoas?

A Gestão de Pessoas é um processo necessário aplicado em todas as empresas que procuram crescer no mercado, somando um grupo de colaboradores realmente envolvidos em seus trabalhos e nos processos desenvolvidos dentro da organização. No entanto, com o passar do tempo se viu que um processo tão bom poderia ser ainda melhorado, com a forma Estratégica de aplicação da Gestão de Pessoas, denominada Gestão Estratégica de Pessoas.

O que é Gestão Estratégica de Pessoas

Esse tipo de gestão é compreendido como uma nova forma de abordagem, sendo utilizada pelas empresas com o objetivo de compreender os colaboradores da melhor forma possível e alinhar os interesses pessoais de cada indivíduo com os da própria empresa que trabalham. Em um cenário cheio de mudanças como é o que as empresas vivem hoje em dia, trabalhar a gestão de pessoas de forma estratégica é um desafio para quem aplica, e uma solução para quem usufrui do processo, melhorado o bem-estar dos funcionários e consequentemente a melhora nos processos, produtos e serviços oferecidos pela empresa.

Quer saber tudo sobre o que é a Gestão Estratégica de Pessoas, seus principais benefícios e os diferenciais de aplicação deste processo nas empresas? Se sim, vamos lá!

O que é Gestão Estratégica de Pessoas?

A Gestão Estratégica de Pessoas é um processo desenvolvido por profissionais capacitados e devidamente qualificados para o cargo, desempenhado especificamente por Gestores de Negócios da empresa, uma vez que eles se encaixam em geral no perfil e tem maior autonomia no cumprimento das propostas deste processo, já que estão no controle total das ações e recursos da empresa sendo ainda uma referência como liderança dentro da organização em diversos segmentos, como área comercial, financeira, marketing, estatística, contabilidade, entre outros.

O trabalho realizado pelo profissional que atua na Gestão Estratégica de Pessoas corresponde à participação no serviço de contratações, análise curricular, treinamento e desenvolvimento, saúde e segurança no trabalho, desempenho comportamental e funcional e acompanha a organização como num todo. A Gestão Estratégica de Pessoas também desenvolve serviços voltados para estudar os profissionais de forma individual, lapidá-los profissionalmente e assim possibilitar o melhor funcionamento das empresas.

Principais benefícios de aplicar a Gestão de Pessoas

Principais benefícios de aplicar a Gestão de Pessoas

Os principais benefícios de aplicar a Gestão de Pessoas contam com elementos que vão desde o processo de contratação de funcionários até os impactos positivos causados pelo melhoramento dos processos internos empresariais, resultando na melhor geração de produtos e serviços com ainda mais qualidade para a empresa que e preocupa em aplicar uma boa Gestão Estratégica de Pessoas.

LEIA TAMBÉM:

Um dos grandes benefícios da Gestão Estratégica de Pessoas começa com as contratações mais acertadas, onde os indivíduos são melhor selecionados de acordo com o perfil que a empresa exige, não somente para o cargo, como também para lidar com a realidade que a empresa oferece. Vê-se ainda um aumento na produtividade e motivação dos funcionários, que tem seus serviços adequados à medida de como se portam e assim aumentam a sua produtividade de acordo com as atividades que realizam. Percebe-se também a Gestão de benefícios melhor realizada quanto aos benefícios ofertados, como vale-alimentação, plano de saúde, bolsas de estudo, etc., contando com melhoria no ambiente de trabalho, desenvolvimento dos colaboradores, atração e retenção de talentos e ainda alinhamento dos objetivos empresariais.

Diferença entre gestão estratégica e gestão tradicional

Mas, existe especificamente uma diferença entre uma Gestão Tradicional de Pessoas e uma Gestão Estratégica de Pessoas? Sim, e por isso dizemos que se trata de um processo mais completo e específico, possibilitando uma melhoria ainda mais ampla dos setores empresariais. Na Gestão Estratégica de caráter tradicional encontramos apenas uma forma de gestão simples, focada simplesmente em realizar os processos, e não em se preocupar como eles ocorrem, porque ocorrem e nem como melhorá-los, apenas realizando-os da melhor forma dentro do cenário disponibilizado.

Com uma Gestão Estratégica de Pessoas é possível ocorrer um planejamento mais amplo, avaliando os resultados e mensurando os impactos dos processos realizados na empresa, conferindo um maior conhecimento em relação ao negócio, entendendo melhor o mercado, conhecendo os principais processos dentro da empresa, trabalhando com metas e objetivos reais e alcançáveis, realizando o planejamento que norteia as atividades empresariais e ainda dando uma visão holística e sistêmica á Gestão de Pessoas.

Principais ideais da Gestão Estratégica

Principais ideais da Gestão Estratégica de Pessoas

Na Gestão Estratégica de Pessoas ocorre o que chamamos de desenvolvimento de ideais que são pré-determinados e generalizados aos padrões empresariais à que se aplicam, contando com 5 principais pilares que norteiam as ações dos profissionais responsáveis pela Gestão de Pessoas, sendo eles: Manter a equipe motivada, realizar treinamentos, melhorar a Comunicação, viabilizar o trabalho em equipe e ainda trabalhar o Desenvolvimento Profissional e Pessoal dos funcionários da empresa.